Notícias

GREVE NACIONAL

Mesmo com recuo das centrais, movimento docente mantém mobilização dia 5 de dezembro

04-12-2017 às 11h46

O Movimento Docente da Bahia vai parar nesta terça-feira (5), dia convocado, inicialmente, como Greve Nacional contra a Reforma da Previdência. A posição das diretorias das Associações Docentes é manter as mobilizações e não recuar, mesmo com a nota de desmarcação da data, publicada na última sexta-feira (1º), e assinada pelas centrais sindicais CUT, Força Sindical, UGT, NCST e CSB.

A adesão aos atos públicos e a paralisação das atividades acadêmicas, com portões fechados, foi aprovada nas assembleias realizadas na Uneb, Uesc e Uesb. Na Uefs, mesmo sem a assembleia, foi reforçada a necessidade de intensificar a luta.

Para Milton Pinheiro, coordenador do Fórum das ADs, é repudiável a postura da Central Única dos Trabalhadores em tentar desmarcar um dia de luta tão importante sem, ao menos, consultar a base das categorias.

“Não haverá recuo do Movimento Docente. Vamos fazer do dia 5 de dezembro um dia de lutas e mobilizações. Daremos um recado forte e incisivo ao governo, e à sua base aliada de que a Reforma da Previdência não vai passar. Convocamos todos e todas a ocuparem as ruas”, reforçou o professor. Em nota, a CSP-Conlutas e o ANDES-SN também confirmaram a necessidade de seguir as mobilizações.

Confira, na íntegra, a nota oficial da CSP-Conlutas.
Nota oficial da CSP-Conlutas contra a desmarcação da Greve Nacional de 5 de dezembro

Hoje fomos surpreendidos com a desmarcação da Greve Nacional assinada pela cúpula de seis centrais sindicais (CUT, Força Sindical, CTB*, UGT, NCST e CSB). Isto, sem consulta prévia à CSP-Conlutas e sem consulta à suas próprias bases nos estados e nos sindicatos. Resolveram desmarcar por telefone a Greve Nacional convocada para o dia 5 de dezembro.

Isto acontece exatamente no momento em que o governo Temer está com dificuldade em conseguir o número de votos necessários para a aprovação do fim da aposentadoria dos trabalhadores brasileiros. Acontece no momento em que na base aumenta a disposição em realizar a Greve Nacional e manifestações para derrotar definitivamente a Reforma da Previdência.

Este recuo é um grave erro e ajuda somente ao governo Temer. Não conta com o apoio da CSP-Conlutas!

Este recuo significa abrir mão de uma ferramenta fundamental, que é a Greve Nacional, uma grande oportunidade de, pela ação direta, enterrarmos de vez essa reforma que acaba com a nossa aposentadoria e vem sendo articulada a base da compra de votos por um governo e um Congresso Nacional corruptos a serviço da burguesia desse país.

A CSP-Conlutas chama a todos os sindicatos e organizações de base a se manterem mobilizados e realizarem assembleias, protestos e manifestações, a manterem a pressão sobre os deputados nas casas e aeroportos. Não vamos baixar a guarda!

O governo recuou apenas por uma semana, e se for colocar em votação a reforma, chamamos a todos os sindicatos e organizações a paralisarem o país imediatamente.

Só a luta unificada e uma Greve Geral podem derrotar o governo Temer e esse congresso de corruptos!

Se quiserem votar, o Brasil vai parar!
Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas

*A CTB publicou nota oficial afirmando discordar da posição da maioria das centrais sindicais na nota que desmarca a Greve Nacional de 5 de dezembro.

Leia também a nota de repúdio do ANDES-SN sobre o cancelamento da greve nacional.
 


Compartilhe esta notícia:


Leia Também:

Total de Visitantes
1065892
Usuários Online
5
Avenida Transnordestina, MT 45, Novo Horizonte
Campus Universitário - UEFS CEP 44036-900
Feira de Santana - Bahia | Tels: (75) 3161-8072 / 3224-3368.
E-mail: adufs@uefs.br / adufsba@yahoo.com.br
Desenvolvido po Tacitus Tecnologia
Todos os direitos reservados © 2017 - ADUFS
Home Filie-se a ADUFS Contato