ANO XII - Edição 595 - 23/02/2021
- Foto: Reprodução

Adufs discute ensino remoto com a Reitoria e defende volta às aulas presenciais só com vacinação em massa

Em reunião com a Reitoria, na última quarta-feira (17), a diretoria da Adufs pediu esclarecimentos sobre o Ensino Híbrido, Remoto e as discussões que tem ocorrido em relação à volta às aulas presenciais. Os docentes chamaram atenção para os problemas decorrentes da falta de estrutura para aulas remotas e sobre as ações que a Administração Central tem desenvolvido para diminuir os danos.

Segundo o Reitor, Evandro do Nascimento, há encaminhamentos em andamento, bem como há demandas que não poderão ser atendidas. No plano pedagógico e operacional, o Reitor afirma que as solicitações foram atendidas: “Uma capacitação foi realizada no final de 2020 e uma em fevereiro. A Prograd realizou estes processos e nós contamos com uma comissão de professores que se propôs a estar na linha de frente deste trabalho. Aquilo que estava dentro dos aspectos pedagógicos de capacitação e melhoria de sistemas foi feito”, afirmou.

Já sobre a carência de equipamentos identificada pelos docentes e discentes, a questão se torna mais complicada: “Em relação a equipamentos, a gente entende a reivindicação, só que nós por mais boa vontade que tenhamos de acolher essa demanda não temos condição de assumir e não vamos assumir isso de forma leviana”. O Reitor relatou que uma licitação para compra de notebooks que já tinha recurso disponível foi frustrada por problemas na documentação das duas empresas que se inscreveram. O segundo processo para compra de equipamentos foi encerrado por falta de insumos para produção dos aparelhos por parte da empresa que informou ter recebido uma grande encomenda antes de finalizar o processo com a UEFS. Com a finalização do ano fiscal, as reivindicações dos docentes não puderam ser atendidas. Novos processos estão sendo desenvolvidos, mas sem respostas conclusivas no momento e por questões de mercado.

A Vice-Reitora, Amali Mussi, informou que empréstimos têm sido realizados e, dentro das possibilidades da Universidade, os departamentos têm emprestado materiais como cadeiras ergonômicas. Também foram disponibilizados chips para que os docentes possam acessar a internet: “Nos Nós fechamos editais em dezembro, tanto de equipamentos quanto de internet, sobrando mais de 300 vagas. A gente tem investido bastante para que a política de acesso chegue aos estudantes”, afirmou.

Amali Mussi disse também que haverá docentes que terão carga horária disponível por todo o semestre para acompanhar e orientar os docentes que estarão em atividades remotas. Além disso, atendendo à demanda por mais capacitação, os cursos serão oferecidos no decorrer do semestre.

Em relação às atividades híbridas, que a diretoria da Adufs fez questão de relatar ter recebido e-mails de docentes preocupados (as) com o contágio da Covid-19 durante as atividades que envolverão docentes, servidores e estudantes, o reitor informou que serão oferecidas 55 disciplinas nessas circunstâncias. Somente quatro departamentos terão aulas práticas: DEXA, DTEC, DCIS e o DSAU: “O DSAU é onde está mais concentrada a quantidade de disciplinas presenciais que são 45 das 55. Tivemos duas reuniões com diretores dos departamentos e o que eles têm sinalizado é a intenção de postergar o início das atividades presenciais para irmos avaliando a questão dos dados da pandemia, avaliar se chegou um nível de vacinação que possa ser atenuante para a gravidade da pandemia. Nós não vamos nos furtar a avaliar o quadro da pandemia e se for grave demais para a realização dessas atividades, vamos chamar o Consepe para que sejam reavaliadas essas disciplinas”, afirmou Evandro do Nascimento que chamou atenção para o fato de quando a decisão do Consepe foi tomada, em outubro do ano passado, havia uma curva descendente em relação ao número de casos.

A professora Reinalda Souza destacou que, apesar das medidas que estão sendo tomadas pela Reitoria, a defesa incansável pela continuidade das aulas cobra um preço incalculável de docentes e estudantes. Alguns procuraram a professora questionando os prejuízos de estudantes que acabaram ficando dessemestralizados porque não tiveram condições de fazer as disciplinas de forma remota. Segundo a Vice-Reitora, Amali Mussi, estas demandas devem ser levadas para a Câmara de Graduação. No entanto, a professora Reinalda destacou que alguns estudantes se queixam que as demandas não têm sido solucionadas. “Vários estudantes procuraram seus colegiados porque não conseguiram se matricular e foram informados que não havia professores suficientes para a demanda por conta da quantidade de vagas limitadas; logo deveriam procurar instâncias superiores. Há mais de 20 dias eles estão tentando solucionar essa questão, sem resposta”, afirmou

São muitos os problemas acumulados no Ensino Remoto e com o aumento do número de casos em toda a Bahia, estamos diante novamente da iminência de colapso no sistema de saúde. Isso faz com que a possibilidade de retorno às atividades presenciais torne o risco ainda maior. Por isso, a diretoria da Adufs alertou a Reitoria para o fato de que, caso haja a deliberação pela volta às aulas, o sindicato deve convocar uma assembleia com a categoria para discutir a instrução do Andes-SN por uma greve sanitária dos docentes.

“A nossa indicação é de reforçar a posição do sindicato nacional de não entrar em sala de aula com atividade presencial sem a vacinação. Nós não somos a favor de professor furar a fila, não adianta professor ser vacinado sem estudante e servidores serem vacinados. A gente defende a vacinação em massa e se a atividade for retomada por determinação legal do governo, nós do sindicato convocaremos assembleia para formalizar uma indicação de greve geral sanitária”, afirmou André Uzêda.

Compartilhe esta notícia!

DEMAIS NOTÍCIAS

Adufs defende a reversão da cessão de terreno do Horto Florestal junto à Reitoria

Desde a notícia de que 8.000 m² do Horto Florestal foram cedidos, contra a vontade da Reitoria, para a construção de uma unidade do TJ-BA em Feira de Santana, a Adufs está empenhada na defesa pela reversão da situação do Horto Florestal. Por isso, a diretoria solicitou na última quarta (17) esclarecimentos do Reitor de como tem sido encaminhada a questão, na tentativa de alinhar formas para lutar contra a decisão autoritária do Governo do Estado.

Segundo o Reitor, a posição da Administração também é de tentar reverter a posição do governador formalmente. A UEFS já recebeu um termo para assinar em que o terreno do Horto consta com área menor, já com a redução da área cedida. “O Horto é imprescindível para a UEFS. Para nós, está descartado embarcar na onda da fala do governador que se a gente escolher outros dez terrenos que ele pode doar para a UEFS, como se fosse possível descartar tudo que já foi feito no Horto; então, isto está fora de cogitação. A interlocução não está fácil porque é uma decisão do governador. Os secretários não assumiram um papel de defesa, principalmente a Secretaria de Educação que é a secretaria que nos abriga como autarquia. Não conseguimos fazer reunião com o Tribunal de Justiça, temos solicitado, mas eles não marcam. A correlação de forças está desfavorável para nós”, enfatizou.

Evandro do Nascimento afirmou ainda que uma série de denúncias tem sido feitas na imprensa e de forma pública para dar maior notoriedade à situação, inclusive foi marcada uma sessão na Câmara de Vereadores com a Comissão de Meio Ambiente que deve ocorrer na próxima segunda (22). Além disso, uma reunião foi realizada com o Fórum de Diretores que deve se posicionar para somar forças nesse embate.

Segundo o reitor, o deputado Zé Neto, que também esteve envolvido na negociação, recebeu um documento listando todos os prejuízos que serão acarretados à Universidade com a perda da área do Horto, mas também silenciou, o que não nos causa nenhuma surpresa. A Adufs repudia fortemente a postura conveniente do deputado Zé Neto que compactua com esta ação totalmente prejudicial para os rumos do ensino, pesquisa e extensão da UEFS, em nome de interesses próprios contrários à educação pública.

Além disso, a Adufs reitera sua total decepção por ter à frente da Secretária de Educação, um colega professor da UEFS, Jerônimo Rodrigues, que na sua gestão tem rotineiramente agido de forma omissa e acovardada diante do evidente processo de desmonte orquestrado pelo governo Rui Costa. Projeto este operado por vários braços que incluem, sem dúvida alguma, as mãos do secretário Jerônimo. A História lembrará!
Para o professor Jucelho Dantas, a postura do secretário é revoltante: “Jerônimo Rodrigues é da área de agronomia, os professores que trabalham naquele espaço são em maioria agrônomos, ele conhece a maioria dos professores que estão ali, sabe da competência que estes profissionais têm com o local e com suas pesquisas. São professores que desenvolvem muitas pesquisas e ele sabe disso. Aquele Horto tem sido estratégico para esses profissionais. Temos lá um banco de plantas do semi-árido gigantesco que foi levantado com viagens cansativas, extensas. Eu inclusive participei de algumas dessas viagens junto ao professor Lenaldo de Oliveira para fazer a coleta de espécies vegetais, para serem estudadas. São muitos trabalhos desenvolvidos ali dentro”, relatou.

Na defesa pela garantia de reversão da cessão de parte do Horto, a Adufs segue mobilizada denunciado a gravidade da situação: “Este é mais um ato de desprezo, arbitrariedade e quebra da autonomia da universidade. Nós sabíamos que naquela área a UEFS tinha apenas uma cessão de uso, mas a forma como o processo foi realizado aponta para o autoritarismo do governo Rui Costa”, afirmou André Uzêda.

Compartilhe esta notícia!

ELEIÇÃO ADUFS

Chapas podem se inscrever para concorrer à Eleição da Adufs a partir dessa segunda (22)

Com o lançamento do Edital que convoca a eleição para a diretoria da Adufs (Gestão 2021-2023), os prazos começam a correr. Nessa segunda (22) mais uma importante etapa teve início: a inscrição de chapas que devem concorrer. O registro da(s) chapa(s) deve ser feito na secretaria da Adufs, a partir das 8h do dia 22 de fevereiro até às 17h de 5 de março. A votação será entre 24 e 26 do próximo mês por meio de um sistema de votação eletrônica, a ser definido pela Comissão Eleitoral, que é responsável por coordenar o processo.

Conforme o edital da eleição, no ato da inscrição cada chapa deverá apresentar a nominata completa do grupo e um formulário por cada membro, contendo nome completo, matrícula, cargo ocupado na chapa, departamento no qual está lotado, mais a declaração de que não ocupa posto de confiança, datado e assinado pelo membro ao qual se refere o formulário. A inscrição também poderá ser feita pelo email da secretaria da Adufs, com envio do material assinado e escaneado. O endereço eletrônico para encaminhamento da documentação é secretariaadufsba@gmail.com.

Ainda segundo o edital, as chapas farão campanha de 10 a 23 de março. A Comissão Eleitoral poderá convocar um debate virtual entre as chapas. A posse da nova diretoria ocorrerá após a divulgação dos resultados, em assembleia convocada especificamente para este fim. Estarão aptos a votar os docentes que se filiarem à Adufs até o dia 22 de fevereiro deste ano. Podem candidatar-se a um dos cargos os professores que se filiaram à Adufs até o dia 20 de janeiro de 2021.

Para votar é importante que os (as) docentes atualizem seu cadastro sindical. O formulário contém apenas algumas perguntas e pode ser respondido de forma rápida e fácil: Formulário de Atualização de Cadastro Sindical.
 

Compartilhe esta notícia!

FÓRUM DAS ADS

Em reunião com Líder do Governo, Movimento Docente reivindica reabertura de diálogo

Foto: Fórum das ADs

Na última quinta-feira (18) ocorreu uma reunião entre o Fórum das ADs e o deputado Rosemberg Pinto (PT), líder do bloco do governo na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba). O encontro virtual, convocado pelo deputado, foi fruto da luta do movimento docente para retomada da mesa de negociação permanente. Ficou encaminhado que o líder da maioria na Alba fará a intermediação da questão com o Secretário de Educação, Jerônimo Rodrigues, na perspectiva de agendar uma próxima reunião.

Na oportunidade, os (as) professores (as) pontuaram a necessidade de um calendário de discussão que comece com o tema das filas de Dedicações Exclusivas (DE) e Estatuto do Magistério Superior. Rosemberg não se negou a articular o diálogo com o governo, mas ponderou que uma reunião para debater a pauta de reivindicações 2021 não seria oportuno nesse momento devido à conjuntura. O Fórum contra argumentou. Na opinião do movimento docente, as demandas das universidades são parte das próprias necessidades da conjuntura em defesa da ciência, pesquisa e combate ao negacionismo. Afirmou ainda, que existem questões da pauta que tratam apenas de vontade política sem implicar em orçamento.

“Entendemos que as universidades são muito importantes para ajudar a Bahia a enfrentar esse período pandêmico. Reabrir o diálogo é um ganho para as duas partes. Queremos dar continuidade ao acordo de greve com a manutenção da mesa de negociação permanente, debatendo as pautas das universidades estaduais. Essa é a nossa prioridade. Mas estamos abertos também a discutir com o governo qualquer demanda que envolva a defesa da vida e enfrentamento à Covid-19. Contudo, para ambas as coisas acontecerem, é preciso diálogo”, argumentou Arturo Samana, coordenador do Fórum das ADs.

Leia mais no site da Adufs.
 

Compartilhe esta notícia!

PROTESTO

Manifestantes voltam às ruas para pedir “Fora, Bolsonaro”

Em carreata, manifestantes ocuparam vias públicas de Feira de Santana, no domingo (21), contra o presidente Jair Bolsonaro. O protesto, que se sustenta na criminosa condução do governo no combate à Covid-19 no Brasil, responsável pela morte de mais de 246 mil pessoas, soma-se a outras pautas prioritárias também levadas às ruas, a exemplo da garantia da vacina gratuita para toda a população e a retomada do auxílio emergencial. Jucelho Dantas e Marilene Lopes estiveram presentes representando a diretoria da Adufs. Outros professores da Uefs também endossaram a mobilização.

O ato ainda contou com as presenças de membros de outras entidades, movimentos sociais e partidos políticos. A carreata concentrou-se em frente ao Terminal Central. Depois, seguiu pelos bairros Rua Nova, Jardim Cruzeiro e Sobradinho, Avenida Contorno, bairro Cidade Nova, Avenida Fraga Maia e bairro Mangabeira, onde houve as considerações finais por parte de alguns dos participantes que acompanharam a mobilização.

Durante as falas, os manifestantes criticaram a carência de um plano de imunização contra a Covid-19, as falhas envolvendo a disponibilização de vacinas para a população e os milhões de desempregos gerados pela política do governo. Além disso, alertaram para o cenário de desfinanciamento e desmonte imposto por Bolsonaro ao Sistema Único de Saúde (SUS), responsável por garantir a todo brasileiro acesso integral e gratuito a serviços de saúde. De um modo geral, em sua maioria, os moradores solidarizaram-se com o protesto a partir de suas residências ou estabelecimentos comerciais, quando o cortejo seguia seu percurso.

Leia mais.
 

Compartilhe esta notícia!


ANDES-SN

Sindicato Nacional completa 40 anos de lutas e conquistas. A Adufs faz parte dessa história

Foto: ANDES-SN

Uma história formada por diversos momentos de lutas, conquistas, desafios e vitórias. História que atravessou a pressão do regime empresarial-militar e enfrentou profundas mudanças político-econômicas no Brasil, mas que seguiu firme na defesa dos direitos dos docentes, da educação pública de qualidade e da construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Esse é o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN), que foi fundado em 1981 como Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior. Sete anos depois, após a promulgação da Constituição Federal em 1988, passou a ser Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior. Na última sexta-feira, foi celebrado seu 40º. Ano de Fundação. Oito anos após, em 1989, a Adufs, criada em maio de 1981, torna-se seção sindical do Sindicato Nacional e também se torna sujeito ativo dessas lutas.

Desde quando foi instituído, o ANDES-SN preocupou-se em não separar o trabalho acadêmico da realidade social, e atrelou ao cotidiano docente a realidade social à qual estavam inseridas as instituições congregadas em torno de si, criando grupos de trabalho para a discussão e ações relacionadas à ciência e tecnologia, política agrária, urbana e ambiental, arte, gênero e etnia, além de demandas ligadas à educação, ao sindicalismo e à organização docente.

Hoje, o ANDES-SN acumula importantes contribuições para a sociedade nas mais diversas áreas, a exemplo da participação ativa nas lutas pela redemocratização do país no início da década de 80 (Diretas Já!), anistia aos presos e exilados políticos e pela Constituinte 1986/88. Também colaborou com a construção do Fórum Nacional em Defesa da Escola Pública, apresentou propostas para a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) e, posteriormente, no final da década de 90, elaborou o Plano Nacional de Educação da Sociedade Brasileira (PNE). Atualmente, em meio às mobilizações em defesa da educação e da saúde, defende a vacinação de toda a população contra a Covid-19 como condição para o retorno das atividades presenciais nas instituições de ensino superior.

Eleição
Em dezembro de 2020, os docentes das instituições de ensino superior elegeram a nova diretoria do ANDES-SN, biênio 2020-2022. A chapa 1 – Unidade para Lutar venceu o processo eleitoral. A diretoria da Adufs, que historicamente compõe a Regional Nordeste III do Sindicato Nacional, ocupa a segunda secretaria, coordenada pela professora Reinalda Souza Oliveira.

Na avaliação da diretora da Adufs, a presença de um membro das universidades estaduais baianas na direção nacional representa mais um reforço à luta do movimento docente do Estado. A professora da Uefs destaca que, recentemente, as associações da Bahia encaminharam à direção nacional do ANDES-SN, para que esta tenha conhecimento e colabore com o enfretamento, informações sobre as recentes decisões do governo Rui Costa que desrespeita a autonomia universitária e cede o terreno do Horto Florestal (pertencente à Uefs) para o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).

“Em função da pandemia, ainda não pudemos nos encontrar pessoalmente. Mas, no âmbito da Regional Nordeste III, nos reunimos todos os meses com o objetivo de discutir os assuntos concernentes aos estados que a compõem e socializá-los com a direção nacional. A solicitação mais frequente das associações de professores é a participação do ANDES-SN para ajudar no combate às ações dos governos que retiram direitos dos servidores e sinalizam sobre o retorno das aulas presenciais nas instituições de ensino superior mesmo sem a vacinação de todos. Caso alguns gestores estaduais ainda insistam em iniciar as aulas presenciais sem a vacina, o ANDES indicou que todas as seções sindicais pautem, até 14 de março, em suas assembleias, o indicativo de uma Greve Sanitária”, disse Reinalda Souza.

Compartilhe esta notícia!


CSP-Conlutas

Volta às aulas presenciais registra contaminações pela Covid-19. É preciso fortalecer a greve pela vida!

Aumento da contaminação pela Covid-19 entre alunos e professores. Falta de funcionários de limpeza. Insegurança sanitária com salas mal arejadas e álcool em gel vencido. Essa é a realidade em várias escolas que retornaram às atividades e aulas presenciais nos últimos meses.

Em SP, desde que as atividades presenciais foram retomadas nas escolas estaduais, municipais e privadas do estado já foram contabilizados oficialmente 741 casos de Covid-19 e mais de 1.100 casos suspeitos. Os números foram informados pelo próprio governo de João Doria, penúltima segunda-feira (16) e incluem dados notificados entre 2 de janeiro e 13 de fevereiro. Entidades de professores denunciam que os números estão subnotificados e há pressão de direções para esconder casos.

O aumento de casos de Covid-19 em crianças também começou a ser verificado. Segundo levantamento feito pelo jornal Folha de S.Paulo, três hospitais infantis da capital paulista, Cândido Fontoura, Darcy Vargas e Menino Jesus, registraram aumento significativo de internações de crianças com covid-19, logo em seguida à volta às aulas na rede particular de São Paulo.

Leia mais no site da CSP-Conlutas.
 

Compartilhe esta notícia!

Junte-se e lute!

FILIE-SE À ADUFS

"Criado historicamente para a defesa dos interesses dos trabalhadores, o sindicato continua, até os dias atuais, a principal forma de organização política, entre outras (partido), para desenvolver a luta para manter e ampliar os reais direitos dos trabalhadores. Filiar-se é fortalecer o próprio instrumento de luta". .


Clodoaldo Almeida da Paixão - Professor do Departamento de Ciências Humanas e Filosofia (DCHF)

A força do sindicato está em seus/suas filiados (as) e na capacidade de defender os interesses da categoria. Desde a sua criação, em 1981, a Adufs tem pautado a luta em uma prática democrática, coerente e firme na defesa de um projeto de universidade pública.

Participar do sindicato é exercer cidadania, é ser sujeito da sua história. Para filiar-se é preciso preencher um formulário (aqui), autorizar o desconto mensal de 1% sobre os vencimentos, assinar e entregar na Sala da Associação, que fica no Módulo IV (MT 45) da Uefs.

Avenida Transnordestina, MT 45, Novo Horizonte
Campus Universitário - UEFS - CEP 44036-900 - Feira de Santana - BA
Tel: (75) 3161 - 8072 | (75) 3224 - 3368
Email: ascomadufsba@gmail.com
www.adufsba.org.br

Facebook Twitter YouTube

Política de Privacidade | Unsubscribe
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia