Ano XI - Edição 499 - 13/03/2019
-

Valor subtraído do contracheque de fevereiro deve ser pago nesta quarta (13)

O valor subtraído do salário no mês de fevereiro deve retornar ao bolso dos setenta servidores da Uefs nesta semana. Segundo o pró-reitor de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas da universidade (PGDP), José Renato Sena, a Secretaria Estadual da Administração (Saeb) se comprometeu em fazer uma folha suplementar para corrigir os problemas da folha do mês anterior. O pagamento está previsto para esta quarta-feira (13).

Conforme queixas dos docentes houve problemas como erro nos cálculos da contribuição previdenciária, do auxílio-alimentação, do imposto de renda e das férias. Em alguns casos, não houve nem o pagamento do salário! O débito no salário ainda foi registrado no contracheque disponibilizado no Portal do Servidor do mês de janeiro do ano em exercício, quando 570 professores e técnico-administrativos da Uefs reclamaram do desconto. A situação também se repetiu nas demais universidades estaduais. Os valores foram pagos posteriormente em folha adicional. O governo alega que as inconsistências no contracheque dos servidores resultam do novo sistema de gestão de Recursos Humanos (RH Bahia), implantado em janeiro.

Inconvenientes gerados pela mudança no sistema ou não, o fato é que a situação ocorrida nos dois primeiros meses do ano causou grandes prejuízos à categoria, que teve de reorganizar as despesas pessoais por conta da subtração de valores no salário. A centralização de demandas de ordem administrativa e financeira das universidades nas mãos do Estado, aliás, tem atrasado e, em alguns casos, obstruído o desenvolvimento das atividades acadêmicas.

Orientação
A diretoria da Adufs segue acompanhando o caso e se coloca à disposição dos professores para tentar resolver a situação. Paralelamente, também cobra da administração superior e do governo estadual providências para que esse fato não se repita.

A diretoria lembra que a universidade é uma autarquia com autonomia administrativa garantida na Constituição Federal. Cabe, portanto, às reitorias das quatro instituições estaduais, com essa prerrogativa constitucional, questionarem a obrigatoriedade em aderir aos sistemas de gestão que afrontam a autonomia universitária.

Os diretores pedem aos docentes que acompanhem se o valor subtraído no contracheque de fevereiro foi realmente pago no prazo estabelecido pelo governo e se a situação se repetirá no mês de março. A diretoria ainda orienta que o docente procure o assessor jurídico da Adufs para ingressar com uma ação na Justiça pelos danos causados pelo erro do governo estadual.

A PGDP da Uefs informa que em caso de dúvidas ou reclamações sobre o contracheque, o servidor deve enviar e-mail para spag@uefs.br com o contracheque, nome, número de matrícula e relacionar a dúvida ou reclamação.  

Compartilhe esta notícia!

ELEIÇÃO ADUFS

Debate com candidatos à diretoria da Adufs será no dia 21

Foto: Adufs

No dia 21 deste mês será realizado debate com os candidatos à diretoria da Adufs para o biênio 2019-2021. A atividade, organizada pela Comissão Eleitoral, será realizada às 15h, no Auditório 3, Módulo IV da Uefs. A Chapa 1: Adufs Autônoma e Democrática foi a única inscrita no processo eleitoral. Os professores Jucelho Dantas da Cruz e André Almeida Uzêda, membro da atual diretoria, são os nomes para a coordenação geral. Veja a nominata.

Fazem parte das propostas da Chapa 1 a construção da unidade com as demais categorias da Uefs em torno das pautas comuns, a implementação de uma política de segurança baseada nas discussões feitas pela Comissão de Segurança da universidade, mobilização da categoria em torno da negociação da pauta 2019 e das demais reivindicações, além da construção da unidade com a totalidade dos servidores públicos e demais categorias de trabalhadores. Leia o manifesto.

A campanha eleitoral segue até o dia 25 de março. A votação ocorrerá de 26 a 28 deste. A posse da chapa eleita será realizada após a proclamação dos resultados, em assembleia convocada para este fim.

Compartilhe esta notícia!

8 DE MARÇO

Em protesto, mulheres pedem respeito à vida

Foto: Ascom/Adufs

Pedidos de respeito à vida das mulheres, por igualdade de direitos, contra o feminicídio, a opressão, a exploração, o machismo e contra a violência tomaram conta das falas das manifestantes presentes à mobilização realizada em Feira de Santana no Dia Internacional de Luta das Mulheres, na última sexta-feira (8). Os professores da Uefs estiveram no ato. 

Definido por militantes do país como 8M, o protesto reuniu mulheres das zonas rural e urbana do município, que reafirmaram a disposição para a luta em defesa dos direitos, da democracia e da Previdência. Nas falas, as manifestantes também ressaltaram a necessidade de resistir aos retrocessos da equipe de Jair Bolsonaro e de continuar o movimento #Elenão. Foram condenadas a reforma da Previdência proposta pelo governo, as declarações preconceituosas do presidente contra as mulheres, negras (os) e a população LGBTQI e as posições deste sobre a criminalização do aborto. 

Leia mais.

Compartilhe esta notícia!


ANDES-SN

Mulheres são as mais prejudicadas pela proposta de Reforma da Previdência

As mulheres serão as mais prejudicadas caso a reforma da Previdência apresentada pelo governo federal seja aprovada. A Proposta de Emenda à Constituição PEC 6/2019 foi encaminhada ao Congresso Nacional por Jair Bolsonaro em 20 de fevereiro. O texto propõe o desmonte da previdência social e o fim dos direitos de aposentadoria, com ataques ainda mais profundos às trabalhadoras.

Entre os ataques previstos na PEC está o aumento da idade mínima de aposentadoria e do tempo de serviço para acesso ao benefício integral. Além disso, a proposta dificulta as regras para o acesso a benefícios como pensão por morte e o Benefício de Prestação Continuada (BPC) para as trabalhadoras mais pobres.

Pelas regras atuais, uma mulher de 55 anos e com 25 anos de contribuição teria de trabalhar mais cinco anos para se aposentar por idade e conseguir receber 100% da média salarial. Ou seja, estaria aposentada aos 60 anos de idade e com 30 anos de contribuição.

No entanto, pelas regras de transição da PEC, essa mesma mulher terá que trabalhar mais sete anos para se aposentar por idade. Isso porque a reforma de Bolsonaro estabelece idade mínima de 62 anos para as trabalhadoras. Ainda assim, caso se aposente com 62 anos, essa mulher terá contribuído por 32 anos. Ou seja, pela mudança proposta, não terá direito a 100% da média salarial. Lembrando que 100% da média salarial estará limitado ao teto do RGPS.

Trabalhadora rural
Já no caso das trabalhadoras rurais, a reforma iguala a idade mínima de 60 anos para aposentadoria entre homens e mulheres. Nas regras atuais, mulheres do campo se aposentam com 55 anos, e homens com 60. Além disso, a PEC estabelece tempo mínimo de contribuição, 20 anos, que atualmente não existe. Pelas mudanças propostas, as trabalhadoras rurais não poderão mais se aposentar apenas por idade.

As trabalhadoras e trabalhadores rurais, na maioria das vezes, começam a trabalhar ainda crianças. Porém, poucas têm registrado o tempo de trabalho. Além disso, estão mais submetidas a duplas ou triplas jornadas de trabalho, nas atividades rurais e domésticas.

Esses ataques têm graves consequências para as mulheres trabalhadoras, porque elas são as que mais dependem dos benefícios. Em 2015, do total de dependentes que receberam pensão por morte, 84,4% eram mulheres e 15,6%, homens. Os benefícios assistenciais ao idoso, por sua vez, foram distribuídos em 58,5% para as mulheres e 41,5% para os homens. Os dados são do Anuário Estatístico da Previdência Social.

Fonte: ANDES-SN, com edição.  

Compartilhe esta notícia!


CSP-Conlutas

Centrais sindicais organizam Dia de Luta em Defesa da Previdência

Diretor da Adufs esteve na reunião

Diversas centrais sindicais da Bahia reuniram-se na segunda-feira (11), na sede da Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil (CTB), em Salvador, para discutir as atividades a serem realizadas em 22 de março. Nesta data será organizado o primeiro Dia Nacional de Mobilização em Defesa da Previdência Social e da Aposentadoria. A CSP-Conlutas foi representada pelo diretor da Adufs, Gean Santana.

O dia está sendo convocado unitariamente por todas as centrais sindicais do Brasil. A proposta é que sindicatos, movimentos populares, estudantis, dos aposentados, de mulheres e de luta façam protestos e paralisações em todo o país, rumo à construção da Greve Geral.

Conforme encaminhado na reunião ocorrida na sede da CTB, no dia 22 deste mês, será realizada manifestação com panfletagem na capital baiana. A concentração será às 9h, na Rótula do Abacaxi. Os presentes à reunião também encaminharam visita às rádios para informar a população baiana sobre o ato e convocá-la à luta.

A Secretaria Executiva Estadual da CSP-Conlutas reúne-se no dia 15 deste para preparar o ato do dia 22 e pensar a construção da greve geral no Estado. O encontro está marcado para às 9h, na sede do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), em Salvador.

Uma nova reunião das centrais sindicais está programada para o dia 25 deste mês, às 10h, na sede da CTB, em Salvador, para discutir os novos passos da luta. As centrais sindicais presentes à reunião na CTB foram: CSP-Conlutas, CTB, CUT, Nova Central, Força Sindical e a Frente Brasil Popular.  

Compartilhe esta notícia!

Junte-se e lute!

FILIE-SE À ADUFS

"Entendo que vivemos numa sociedade com lutas de classes. Desde que os seres humanos passaram a explorar a força de trabalho uns dos outros, existe a desigualdade social. Quando percebemos a nossa posição enquanto trabalhadores que estão do lado a ser explorado, torna-se essencial a busca por acúmulo de forças e intensificação da luta cotidiana em busca de melhorias. Por isso, ser sindicalizado é fundamental"..


lnah de Oliveira Fernandes - Departamento de Educação (Dedu)

A força do sindicato está em seus/suas filiados (as) e na capacidade de defender os interesses da categoria. Desde a sua criação, em 1981, a Adufs tem pautado a luta em uma prática democrática, coerente e firme na defesa de um projeto de universidade pública.

Participar do sindicato é exercer cidadania, é ser sujeito da sua história. Para filiar-se é preciso preencher um formulário (aqui), autorizar o desconto mensal de 1% sobre os vencimentos, assinar e entregar na Sala da Associação, que fica no Módulo IV (MT 45) da Uefs.

Avenida Transnordestina, MT 45, Novo Horizonte
Campus Universitário - UEFS - CEP 44036-900 - Feira de Santana - BA
Tel: (75) 3161 - 8072 | (75) 3224 - 3368
Email: ascomadufsba@gmail.com
www.adufsba.org.br

Facebook Twitter YouTube

Política de Privacidade | Unsubscribe
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia